“Anda Direito” projeto ajuda LGBTs a se conectarem com serviços e Empregos

Buscar conexões entre pessoas LGBTQIAP+ a diversas propostas voltadas a toda comunidade no país, foi baseada nessa premissa que a plataforma Anda Direito nasceu. A primeira plataforma multi propostas LGBTQIAP+ do Brasil conecta pessoas da comunidade a: serviços, vagas de emprego, talentos, casas, repúblicas, eventos, lugares,
negócios e movimentos.

O uso da plataforma é totalmente gratuito, tanto para as pessoas quanto para as empresas.
Conheça: andadireito.com.br


O projeto que inicialmente seria um blog para compartilhar os desafios de ser um LGBTQIAP+ no país, foi concebido em meados de 2016 pelo o CEO e Fundador Marcos Amancio, 32 anos, Belo Horizonte – MG (@marcosamancio), quando se reconheceu um homem gay e se assumiu para familiares e amigos, desde então, deixou o projeto engavetado até meados de 2020.

Com os desafios da pandemia e trabalhando de casa, tirou o projeto da gaveta, refez toda a ideia e a
transformou em uma plataforma “multi propostas”. No ar desde o último dia 01 de Janeiro de 2021, a plataforma já conta com mais de 11 mil seguidores no Instagram, mais de 500 páginas publicadas e mais de 2.000 usuários ativos por todo o Brasil e mais de 55 mil visitas* e segue crescendo com muito fôlego. *números até o
último dia 10/06/21.
Além do CEO, atualmente a plataforma conta com mais 4 pessoas na equipe: Arthur Fortes – Jurídico (@arthurfortesadv), Nathan Phellipe – Consultoria (onathanphelipe), Pedro Henrique – Marketing (@p.ricke) e
Gabriel Amancio – Conteúdo (bielsur) todos também de Belo Horizonte –
MG.

Segundo a plataforma, o nome “Anda Direito” é a transformação de um termo de supremacia de comportamentos que todes da comunidade vivenciam constantemente: “Isso é coisa de viadinho”, “Não cruze as
pernas”, “Seja mais feminina”, “Fala igual homem”, “Seja mais discreto”.


Já o triângulo invertido, utilizado na marca, foi um dos símbolos usados nos campos de concentração nazistas para diferenciar os capturados, os prisioneiros eram obrigados a usar triângulos coloridos nas vestes para sua rápida identificação. O triângulo preto, por exemplo, identificava lésbicas e mulheres “associais” como grevistas, feministas, entre outros, enquanto o triângulo rosa identificava os homens homossexuais.


“Além de possibilitar as conexões da nossa comunidade através da
plataforma, vamos mostrar ao mundo a força, tamanho e a capacidade
da nossa comunidade de se organizar. Nossa intenção genuína é ajudar
a promover a equidade de direitos e respeito a vida, independente do
sexo biológico, atração sexual, expressão ou identidade de gênero.
Reconhecemos que temos o poder real de transformação nas esferas:
social, financeiro e emocional de todes da nossa comunidade. A
plataforma não se trata apenas de mais um modelo de negócio no
mercado, mas sim de um movimento em conjunto de resistência e
orgulho.” Marcos Amancio, CEO e Fundador do Anda Direito.


Não faltam benefícios para utilização da plataforma, por lá é possível encontrar vagas de emprego em empresas que aceitam e respeitam pessoas LGBTQIAP+, divulgar serviços de e para pessoas da comunidade, conhecer lugares e negócios voltados ao público que por sua vez são favorecidos pelo o Pink Money, conhecer e publicar eventos (online ou offline) exclusivos da comunidade em todo país, encontrar casas e repúblicas de pessoas que buscam dividir suas despesas de moradia além de encontrar movimentos diversos como: ONGs, projetos, movimentos, casas de acolhimento e muito mais espalhados por todo o Brasil.

Segundo a plataforma, a empresa irá se monetizar a partir da
possibilidade de publicidade entre as páginas e garante que não irá
cobrar das pessoas e empresas para utilizar a plataforma.
Links
Plataforma: https://andadireito.com.br/
Instagram: https://www.instagram.com/andadireito/
Twitter: https://twitter.com/andadireito/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.