Indonésia : Homens São açoitados 77 vezes em Publico por praticarem Sexo Gay

 

Autoridades da província de Aceh, na Indonésia, açoitaram publicamente dois homens gays 77 vezes cada um na quinta-feira depois que uma multidão de vigilantes invadiu seu apartamento em novembro, supostamente os pegou fazendo sexo, e os entregou à polícia. A chicotada — reconhecida como tortura sob o direito internacional — foi punição sob os regulamentos da sharia (lei islâmica) da província, que proíbem a conduta entre pessoas do mesmo sexo.

Os açoitamentos fazem parte de um padrão de longa data de abuso direcionado pelas autoridades acehneses contra pessoas lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros (LGBT).

Em 2012, a então vice-prefeita da Banda Aceh, Illiza Saaduddin, anunciou uma “equipe especial” para conscientizar o público sobre a “ameaça lgbt”, postando uma imagem de si mesma no Instagram segurando uma arma e prometendo expulsar os gays de Aceh. Em outubro de 2015, a polícia especial da Sharia prendeu duas mulheres, de 18 e 19 anos, sob suspeita de serem lésbicas por se abraçarem em público, e as deteve por três noites antes de enviá-las para a “reabilitação” religiosa. Um episódio quase idêntico ao açoitamento desta semana aconteceu em 2017 – incluindo vigilantismo, envolvimento policial, acusação sob regulamentos da Sharia grosseiramente discriminatórios e açoitamento público.

O abuso também faz parte de uma campanha anti-LGBT de cinco anos impulsionada por muitos dos líderes nacionais e locais da Indonésia com retórica prejudicial e repetida falha em punir os abusadores.

Aceh é a única das 34 províncias da Indonésia que pode legalmente adotar estatutos derivados da Sharia (embora tais disposições estejam se espalhando em outros lugares do país). Na última década, o parlamento de Aceh adotou portarias inspiradas na Sharia que criminalizam tudo, desde mulheres que não usam hijab, até beber álcool, jogar, sexo extraconjugal. O Código Penal de 2014 da província proíbe o comportamento masculino e feminino do mesmo sexo.

E enquanto o espetáculo da tortura pública em Aceh é horrível, as autoridades de todo o país continuam a liderar ou participar de ataques arbitrários e prisões em espaços privados. Cada vez mais, as autoridades estão usando uma lei discriminatória de pornografia como arma para atingir pessoas LGBT. A repressão contribuiu para uma grande crise de saúde pública: as taxas de HIV entre homens que fazem sexo com homens já estavam aumentando, e os ataques dos últimos cinco anos despertaram o medo e inibiram o trabalho vital de prevenção do HIV.

O governo indonésio assumiu compromissos em princípio para proteger as pessoas LGBT. Mas parece que o slogan do presidente Joko “Jokowi” Widodo de “unidade na diversidade” não se estende genuinamente à proteção de todos – incluindo os dois homens açoitados impiedosamente hoje.

Fonte:HRW

Postagem de LGBT News Brasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *