two men about to kiss

SP: lei pode proibir que pessoas LGBTs apareçam em propagandas de TV

Tramita na Alesp (Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo) e iria ser aprovado nesta terça (20), mas após tanta repercussão negativa foi arquivada, um projeto de lei para proibir a veiculação de publicidade com pessoas LGBTQIA+ ou famílias homoafetivas no estado de São Paulo. Autora do PL, a deputada estadual Marta Costa (PSD), afirma que essas propagandas trariam “desconforto emocional a inúmeras famílias” e que mostram “práticas danosas” às crianças. Para ela, a proibição vai “evitar a inadequada influência na formação de jovens e crianças.”

Se a proposta for aprovada, os paulistas não poderão mais ter acesso a campanhas como a de Dia dos Pais da Natura, em 2020, em que Thammy Miranda (PL-SP), primeiro homem trans eleito vereador na capital, aparece com o filho, ou à da marca de maquiagem Quem Disse Berenice?, com um casal de mulheres se beijando, em 2019.

NOTA OFICIAL DA ALIANÇA NACIONAL LGBTI+ DE REPÚDIO AO PROJETO DE LEI 504 DA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE SÃO PAULO:

A Aliança Nacional LGBTI+ vem a público se manifestar sobre o nefando PL 504 que tramita na Alesp, projeto este que já nasce eivado de inconstitucionalidades.

Além de ser discriminatório, o que é vedado pelo caput do artigo 5° da CF, também viola a competência exclusiva da União em legislar sobre propaganda comercial, art. 22 XXIX.

A discriminação em forma de legislação vai de encontro também a normas internacionais como a Declaração Universal dos Direitos Humanos e documentos importantes usados na sociedade democrática como os Princípios de Yogyakarta.

O projeto visa censurar a existência LGBTI+, sob argumentos falaciosos de que nossa mera existência é algum tipo de ofensa ao padrão cisheteronormativo vigente na sociedade.

É tenebroso que em tempos de pandemia em que os legisladores deveriam estar preocupados com o povo se apeguem em pautas reacionárias de costumes que rememoram os tempos da inquisição no Brasil Colonial.

Não nos forçarão de volta para o armário, nossas famílias e existências serão respeitadas quer queiram ou não.

A falácia de que pessoas LGBTI+ são algum tipo de má influência para crianças é uma das mais odiosas “fake news” propagadas.

Crianças e adolescentes LGBTI+ existem e não podem ser privadas de referências de seus pares.

Um estudo americano com cerca de 180 crianças e adolescentes trans revelou que a aceitação familiar reduz enormemente a taxa de suicídio.

Esse tipo de projeto faz com que a aceitação pela sociedade e família se torne mais difícil, é um projeto de morte.

Ser LGBTI+ é uma característica inerente ao ser humano, não é uma escolha, não nascemos adultos, temos infância e adolescência. Simplesmente existimos.

Caso o projeto, que mais parece uma lei da Rússia, seja aprovado, faremos de tudo para que o governador vete, e se for necessário judicializaremos questionando sua constitucionalidade nos Supremo Tribunal Federal e nos tribunais internacionais.

É vergonhoso que dinheiro dos pagadores de impostos, inclusive das pessoas LGBTI+, seja usado para patrocinar legisladores com a mentalidade neandertal.

Não queremos privilégios, queremos apenas poder viver nossas vidas enquanto cidadãos respeitados.

Os negros não voltarão para a senzala, as mulheres não voltarão para a cozinha e nós LGBTI+ não voltaremos para o armário.

Sobre a Aliança Nacional LGBTI+

Parceira de noticias do LGBT NEWS Brasil

A Aliança Nacional LGBTI+ é uma organização da sociedade civil sem fins lucrativos, com representação em todas as 27 Unidades da Federação e representações em mais de 200 municípios brasileiros. Possui 47 áreas temáticas e específicas de discussão e atuação. Tem com missão a promoção e defesa dos direitos humanos e da cidadania da comunidade brasileira de lésbicas, gays, bissexuais, travestis, transexuais e intersexos (LGBTI+) através de parcerias com pessoas físicas e jurídicas. A Aliança é colaboradora do Fórum de Empresas e Direitos LGBTI+. É pluripartidária e atualmente tem mais de 2000 pessoas físicas afiliadas. Destas, 47% são afiliadas a partidos políticos, com representação de 30 dos 33 partidos atualmente existentes no Brasil. No momento suas parcerias com pessoas jurídicas somam 89 ONGs, empresas e outras organizações. http://aliancalgbti.org.br/
Conheça a Central de Denúncias LGBTI+ https://bit.ly/3mN8jOA

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *